A idade para se aposentar está chegando e não deu tempo de fazer uma previdência? Em breve conheceremos mais uma opção de complementação de renda para o pós-carreira.

 

A intenção de regulamentação da hipoteca reversa foi anunciada na última semana pelo governo, dentro de um conjunto de medidas de natureza microeconômica para melhora da oferta de crédito.

A hipoteca reversa é um instrumento financeiro onde pessoas em idade avançada transformam seu imóvel em um fluxo financeiro mensal, sem a necessidade de vendê-lo, fazer desembolsos e sem perder a titularidade do ativo. Em outras palavras, visa gerar renda para a população idosa sem que esta necessite se desfazer de seu imóvel.

Desta forma a casa própria adquirida na fase laboral é dada como garantia de um empréstimo, disponibilizado por um banco ou seguradora para a família, e esta última terá uma renda complementar. A diferença de um empréstimo comum é que o proprietário não precisará quitar os recursos recebidos ao longo dos anos, já que a liquidação ocorrerá após o seu falecimento.

Partindo-se da premissa de que muitos idosos possuem imóveis, dos quais por algum motivo não pretendem se desfazer, e não têm renda suficiente para se manterem, estamos diante de uma forma para gerar liquidez de um ativo que ficaria imobilizado possivelmente até a morte de seu proprietário.

Na contratação e definição da renda a ser disponibilizada, algumas variáveis serão consideradas, tais como: o valor do imóvel, a idade e expectativa de vida do proprietário, as taxas de juros, gerenciamento dos riscos etc.

Uma das possíveis desvantagens poderá ser a resistência dos herdeiros, pela perspectiva de diminuição no montante a ser deixado como herança, e outra está relacionada à complexidade do “produto”, podendo haver dificuldade de entendimento por parte da população.

Com relação à experiência internacional, a hipoteca reversa já é realidade nos Estados Unidos, Espanha, Austrália, Reino Unido e outros países.  Desta forma será muito importante que se aproveite a curva de aprendizagem, reduzindo riscos neste novo processo e sua adaptação à nossa realidade, sendo o marco regulatório de extrema relevância para dar segurança jurídica nas operações e colaborar para uma relação equilibrada.

Por se tratar de uma população idosa, existe a necessidade de atenção adicional na elaboração das leis, já que esta será o elo mais fraco na relação, e que nem sempre terá o suporte adequado, seja jurídico ou de um planejador financeiro no momento da contratação.

Em um país onde historicamente a questão tributária afeta expressivamente as transações, espera-se que o peso dos impostos não onere as operações e que seja definida uma forma de incentivar a contratação, uma vez que haverá dinheiro novo girando na economia e beneficiando a sociedade como um todo.

Apesar da dúvida se o mercado absorverá este novo instrumento, por questões culturais, sua complexidade, etc., estou otimista e acredito que o importante será a oferta de mais uma opção para lidarmos com o aumento da longevidade e a necessidade de seu custeio.

Se precisar de uma ajuda para fazer seu planejamento financeiro e previdenciário, conte conosco.

https://www.mgtcore.com/#contato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *